Dino, o mascote d'O Muro

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

UM SONHO


O som do piano vinha lá do fundo. Não lembro a melodia. Era um sonho. Atrás do véu, o rosto frágil prestava muita atenção à partitura. Fazia aquilo com amor. Tentei me aproximar, mas não deixaram. O salão estava cheio de gente. Ouviam em silêncio. Quando a música acabou, só eu aplaudi. Os outros continuaram sérios. Olhei bem: eram bonecos de cera.
A pianista chorava:
- Meu Deus, quando terei uma platéia de verdade?
- Aqui estou - eu disse. - E te amo, a ti e à tua música!
Ela apontou para as cordas em meus braços e pernas:
- Mas tu, pobre, és apenas uma marionete.

Leonardo Brasiliense,
autor de Meu sonho acaba tarde (livro de contos do qual foi extraído o texto acima) e Adeus Contos de Fadas, minicontos juvenis (Prêmio Jabuti).

Nenhum comentário: