Dino, o mascote d'O Muro

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Jornal O Lince - Reinações no Reino da Palavra


Edição de dezembro. Confira.
* * *
Grafias
***
Amável cachorro: simpaticão.
*
Edgar Allan Poë foi à Disneylândia.
*
Vai, idade ingrata! Traga-me os anos perdidos...
*
Roubou a cedilha da força e obteve a forca.
*
Gastou a vista. Os óculos foram pagos à prestação.
*
Em terra de olho quem tem um cego... Errei!
*
Aquela dor no peito, quem dera fosse poesia... Mas era crônica.
*
Chovia no silêncio. Salvo a letra “e”, todas as outras se molharam.
*
Para o Zé Povinho, Fernando Pessoa é simplesmente um João Ninguém.
*
Quando Levi tá “alto”, sente-se mais leve: levita alto. Quanto Levi tá são, não há levitação.
*
Dona Gramática passou por uma Secretaria e deixou um acento.
A Secretária agradeceu.
*
Para o AMOR é fácil ir a ROMA. Basta virar-se do avesso.
*
Achou um par de luvas no porta-luvas do carro.
Ficou intrigado. O que aquelas luvas faziam ali?
*
OXIL nunca havia se visto no espelho.
Quando se viu, achou-se um LIXO.
*
Ivo despencou do oitavo andar.
Milagre! Ele ainda está v... Ivo?!
Estava.
*
O saltimbanco cedeu à voz de sua má consciência:
– Assalte um banco!
O público que nunca teve encontrou na cadeia.
*
A verdadeira marca dos cigarros
Sousua Cruz.
*
Caçada de honra
E tu, barão: onde és conde?
*
Ironia naval
Guerra no Pacífico.
***

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

EUNUCOMONINGUÉM

Quarenta mulheres. Algumas sensualmente vestidas, outras completamente nuas. Descontraídas, conversavam, banhavam-se, maquiavam-se, perfumavam-se, enquanto ele, único homem presente, observava-as com melancolia.
Naquele harém, sentia-se como lobo em meio a um rebanho de ovelhas.
Um lobo banguela, na verdade. Ele também não podia comê-las.


[w.G.]+Simplicíssimo
img.: by Giulio Rosati

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

O TREM DA MEIA-NOITE


A placa alertava: PARE OLHE ESCUTE.
O pedestre obedeceu. Parou, olhou e escutou.
E, confiante, avançou, pois nada viu ou ouviu.
No entanto, ao atravessar os trilhos, foi pego de surpresa por um trem saído da escuridão a toda velocidade.
O comboio tornou a mergulhar nas trevas.
A bordo ia mais um passageiro.


EÇA É BOA


Em dias assim kafka eu a pensar: kundera eu fosse um grande escritor, capaz de escrever obras-primas camus estas... Poe certo eu não estaria aqui, camões doendo de tanto empilhar livros. Eu, homero bibliotecário.
[w.G.]+Recantos