Dino, o mascote d'O Muro

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

OS PÁSSAROS

Eu sou a vizinha do lado, disse a mulher ao policial que se encontrava no local do ocorrido. Ele era velho, continuou a vizinha, vivia sozinho. Hoje cedo foi encontrado assim: casa desarrumada, penas e milho espalhados por tudo. Vidraças do quarto quebradas, corpo todo ferido e os olhos furados. Era aposentado, coitado. Saía cedo com o pacote na mão e ia lá para a Santos Andrade. Os bichos vinham em revoada. Faziam alvoroço em volta dele. Ele alimentava aqueles pássaros. Há três dias uma gripe forte o deixou de cama. Os pombos devem ter sentido muito a falta dele.
.

Luís Antonio Alves Fidalgo
Poeta e compositor. Autor de Microcontos/Microstories (amostra acima) - edição bilíngue.

Um comentário:

Angela disse...

Gente! Que conto bom!
E, o pior... tem gente que passa por isto com outras gentes que sugam até matar!