Dino, o mascote d'O Muro

sábado, 7 de julho de 2012

POETA AO ACASO



Invejava os poetas. Nunca conseguiu escrever um único poema que fosse. Apenas microcontos. Escrevia vários. Juntos formaram um livro. Na noite de lançamento, enquanto aguardava os convidados, folheou ao acaso um dos muitos exemplares. Deteve-se no sumário, interessado pelo arranjo dos títulos. Pôs-se a lê-los com entusiasmo. Ao fim da leitura, sentiu-se emocionado. Acabara de ler seu melhor texto. Um belíssimo poema.

[gORj]

O SALTO


O filho queria saltar de bangee jump. Ela não deixou. Ele insistiu até a desobediência.
Do salto ao chão, a falha. O rapaz esborrachou-se.
Tentaram consolar a mãe:
– Era um bom moço. Ele foi para o Céu.
– Ah, é? – grita a mulher, olhando para o alto. – Pula agora! Pula, seu malcriado!

*  *  *

[gORj]

MIUDEZAS


BYE BYE, MICKEY
A bexiga soltou-se da mão do menino e subiu a caminho das estrelas.
O sossego do pai também foi para o espaço.


*
GOTA
Dificuldade para andar. Dores na perna direita. Depois, a esquerda. Gota a gota, a dor minava seus passos.

*
REBENTO
No vaso da noite, o domingo germina a próxima semana. Segunda, terça, quarta... Torçamos para que desabroche logo a flor-de-sexta.



* * *
[gORj]

FELICIDADE


- Tive uma visão do nosso futuro.
- Éramos felizes?
- Muito.
- Então nos casemos.
- De jeito nenhum.
- Mas se vamos ser felizes...
- Sim, seremos. Mas não juntos.

[gORj]

SEGURO, QUEM?



Na delegacia, três vítimas conversavam:
- De mim roubaram a carteira e o celular. E você?
- O carro. Novinho. E pior: não tinha seguro.
- Nossa! Isso é de chorar. Sinto muito.
Ao lado deles, o outro olhava para o chão.
- E o senhor? O que roubaram para deixá-lo assim tão triste?
- A carteira, o celular, o carro...
- Putz!
- ... e a vida do meu filho.

[gORj]

REDE SOCIAL


LUZ ARTIFICIAL
O Sol querendo entrar e ela apenas com a janela do Facebook aberta.

*
OFFLINE
Estava preso ao Facebook. Alimentava-se dos comentários. Compartilhava tudo. E, de tanto procurar, encontrou o amor entre seus milhares de amigos. Casaram-se on-line. Um dia, surgiu uma nota obituária em seu perfil. Morte virtual ou real? Ninguém quis saber. O fato é que muitos até curtiram.

* * *

[gORj]