Dino, o mascote d'O Muro

terça-feira, 9 de outubro de 2007

O CONTO DAS PERDIÇÕES


Sumido, disperso, difuso e distante, foi assim que ficou depois de ter sido chamado de pervertido, imoral, devasso, libertino. Não entenderam que estava apaixonado e seduzido ao extremo pelo mundo, pela vida, pelas mulheres e até pelos homens. Agora, irrecuperavelmente destruído e sem saída, se encontra aflito, ansioso, sem esperança. Só resta, então, a morte inevitável do perdido.


Fernando de Sá é um dos três nanocontistas que integraram o livro de bolso Pagando Micros.
(Miniconto composto por palavras sinônimas à PERDIÇÃO. Daí o título. )