Dino, o mascote d'O Muro

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

MÃE SOLTEIRA


Pôs a filha para fora de casa.
– Grávida? Aqui não!
A justificativa:
– Sempre avisei que nesta casa não teria lugar para outra mãe solteira.
A adolescente sumiu por uns dias. Pouco depois, a mãe a recebeu de volta, futuro e pulsos cortados.
Na barriga da filha, a neta embrionária, ambas veladas ao centro da sala.
Comentavam o suicídio parentes e vizinhos, quando a mãe da adolescente surgiu do quarto com um bebê no colo.
– Minha netinha.
Trazia um sorriso apalermado, os olhos boiando em lágrimas.
– Minha netinha – repetia, enquanto embalava nos braços a boneca que jamais dera à filha.

.
gORj

4 comentários:

Angela disse...

Puxa, este está d'OR-j!
muito bom Wilson, tragédias costumam dar bons contos.

Jefferson de Morais disse...

Wow...
Gostei bastante da forma como desenrolaste a história, curta e elegantemente.

Seguindo!

Jefferson de Morais.

Anônimo disse...

Angela,

Gostei do "d'OR-j!". De fato, é um miniconto onde há d'OR. Pelo visto meu forte é mesmo este: o trágico e o cômico (ou o tragicômico).

Seus comentários já fazem parte d'O Muro.

----------

Jefferson,

Seja bem-vindo ao nosso muro. Apareça sempre.

Abraços.
W.G.

Fabrício Romano disse...

Nó na garganta.