Dino, o mascote d'O Muro

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

ARBEIT MACHT FREI


“O trabalho liberta”, lia-se à entrada de Auschwitz.
– Não pare! – gritou o soldado a um dos prisioneiros que em fila cruzavam a inscrição sobre o portão de ferro.
O rapaz não escutou. O nazista aproximou-se e lhe deu um empurrão.
– Vamos, seu palerma. Prossiga!
O judeu olhou para a suástica. Por vaga semelhança, lembrou-se da cruz, símbolo maior dos cristãos. A essa lembrança, ocorreram-lhe as palavras do profeta Jesus: “A verdade liberta”.
A verdade. O que era a verdade?, perguntara Pilatos.
Para eles, condenados ao campo de concentração, a verdade era uma só: nada os libertariam de Auschwitz.
Nada, exceto a morte.
.
gORj

2 comentários:

Angela disse...

Wilson, uma vez escrevi sobre esta frase e uma amiga que mora em Munique me disse que eles não gostam nem de ouvir esta frase.
Gostei de seu conto mas, para muitos, outra coisa foi libertadora - a esperança.

sidnei olivio disse...

Grande mínimo-conto, gostei demais. Abs.