Dino, o mascote d'O Muro

sábado, 29 de agosto de 2009

A SECO

Dos filhos não tolerava nenhuma demonstração de fraqueza. Perante ele, eram sempre obrigados a engolir o choro.
Por ocasião do seu velório, obedientes, nenhum deles chorou.
A bem da verdade, sequer houve lágrimas para engolir.
.
[wgorj]

2 comentários:

Angela disse...

É isso, amigo. Colhemos o que semeamos. Seria desejável que, a partir deste momento, resgatassem o sentimento e a expressão dele.
contos muito bons!

Lidi disse...

Gorj, teus minicontos são muito bons. Estou encantada. Adoro essa fina ironia. Um abraço.