Dino, o mascote d'O Muro

sábado, 8 de agosto de 2009

IPEZINHO

foto [fabiobrandao]

NO DECLIVE do morro desolado nasceu e cresceu um ipê amarelo. Tão frágil, tão delgado e tímido que, a certa distância, mal podemos distinguí-lo do restante do morro. Uma presença invisível na paisagem escassa.
Mas estamos em agosto, mês em que florescem os ipês. Com aquele, portanto, não haveria de ser diferente: também floriu plenamente. No entanto, da copa para baixo, a delicada arvorezinha continua invisível. De modo que suas flores amarelas e radiantes nos dão a impressão mágica de uma nítida fotografia, na qual se vê congelado
.
o
.

__alegre vôo
.

____de um bando
.

_______de borboletas.
.
wgorj

4 comentários:

Angela disse...

Wilson, adorei a imagem literária , só achei longo, muito explicativo. Quem sabe alguns cortes e ficaria mais wilsomgorjeano!

Anônimo disse...

Angela,

Legal vc ter notado o estilo diferente ao "gorjeano". É que o escrevi em 2006, antes mesmo de conceber a idéia do meu livro. Como estamos em agosto, achei oportuno postá-lo aqui no Muro. Nem me ocorreu reescrevê-lo com o critério da concisão. Deixemos assim mesmo. Tão minguado o ipezinho... Talvez não suportasse alguns cortes [rs].

Abraços.

W.G.

Cynthia Lopes disse...

Sei não, achei poético e sutil.
Gostei muito, bjs

Angela disse...

Concordo Wilson, são partes de nossa história, marcos da caminhada!