Dino, o mascote d'O Muro

sábado, 26 de dezembro de 2009

DESTINOS CRUZADOS

img. retirada de:

A fim de assustar os filhos, o pai encosta à própria fronte o cano da arma de brinquedo e ameaça: “Vou me matar”.
Ao mesmo tempo, noutro ponto da cidade, outro pai, mas sem os filhos, põe na cabeça uma arma de verdade.
Movidos por misteriosa sincronia, ambos puxam o gatilho.
Eis, então, que acontece um milagre. Em vez da bala suicida, o revólver esguicha um tímido, inofensivo jorro d’água.
Ao mesmo tempo, noutro ponto da cidade, o que era para ser apenas uma brincadeira se transforma em inexplicável tragédia.
.
[wgorj - in: SEM FINAL FELIZ]

3 comentários:

Angela disse...

me senti um pouco confusa, custei a entender quem era quem.

Izumi disse...

adorei!

Anônimo disse...

o que vc quer dizer com essa historinha?