Dino, o mascote d'O Muro

domingo, 29 de maio de 2011

INCOMUNICÁVEL

Tinha fome de letras. Comia o “s” dos plurais, o “d” dos gerúndios, o “r” dos verbos. Insaciável, deu também para comer palavras inteiras, até se tornar incompreensível.
Não satisfeito, passou a devorar frases, orações e períodos completos.
Restaram-lhe grunhidos e interjeições. Em pouco tempo, roeu-os até a mudez total.
Agora só lhe resta devorar o silêncio.


gORj

6 comentários:

vicência jaguaribe disse...

Texto criativo em seu sintetismo. Mesmo reduzido tem efeito contrário ao que sofreu a personagem. Parabéns.
Vicência Jaguaribe.

Angela disse...

Que beleza Wilson!
Nada como o presente que ganhou! a introversão é uma benção e este seu conto também.

mural do ajosan disse...

Texto bem criativo, Wilson, ao seu estilo. Parabéns.

Eliane Accioly disse...

MITO BOM MESMO!

ABRAÇOS

José Marins disse...

O silêncio fugidio já não lhe sustenta. Espera igual a aranha
na teia, alguém que passe por ali,
dirija-lhe a palavra. Essas palavras gordas de quem se perde por esses becos.
-
Um abraço josé marins

W.G. disse...

Obrigado, amigos, pelas palavras gordas, generosas, que alimentam o o meu grato silêncio.

Abraços.
W.G.