Dino, o mascote d'O Muro

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

FANTASMA




Da cama arranquei-o pelo cabelo.
Delírio de febre, pesadelo.
Em minha mão só havia
a fronha branca e fria
do meu velho travesseiro.

.
gORj