Dino, o mascote d'O Muro

sexta-feira, 12 de março de 2010

ÚLTIMO CARTUCHO


Demitido há um mês, o vigia juntou ao fundo de garantia todas suas economias e, confiante de que faria dinheiro fácil, embarcou numa excursão rumo ao Paraguai.
Só não contava com a fiscalização. Cruzada à fronteira, o ônibus carregado de muamba foi interditado pela Polícia Federal.
Não houve chance. Realizavam Operação Pente Fino. Cota zero.
O vigia, muambeiro de primeira viagem, ainda tentou comover um dos guardas: “Estou desempregado. Tenho um garoto de seis anos”.
O policial, fingindo compadecimento, abriu uma das sacolas apreendidas e tirou de lá um brinquedo fajuto. “Toma. Leva isso de presente para o seu filho”.
Após o que, os guardas conduziram todos à delegacia.
Os reincidentes ficaram detidos. Liberados os demais, o ônibus seguiu viagem.
Enquanto retornava pela rodovia, um silêncio de morte pairava entre os passageiros, cada qual mergulhado em seu abatimento. De repente, escutaram um tiro.
– Veio do banheiro! – gritou alguém.
Dentro do cubículo, encontram o corpo do vigia tombado sobre a privada, o sangue vertendo da cabeça.
A seu lado, duas armas: a nacional, velha companheira, e a do filho, MADE IN CHINA.
.
[GORJ]

2 comentários:

Angela disse...

Contos tristes estes!... que se passa?

José Rosa (ZeRo S/A) disse...

Que dureza...