Dino, o mascote d'O Muro

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

A CHAVE DO REINO


A fim de preservar o que lhe restava de reputação, o caminhoneiro apelou para uma atitude drástica, para não dizer medieval: confiou os domínios de sua mulher à proteção de um cinto de castidade. Levando a chave consigo, poderia viajar despreocupado, a testa isenta de pontadas.
Seguiu viagem. O chaveiro teve a sua vez.
.
gORj

2 comentários:

Eryck Magalhães disse...

Retribuo a visita. Passeei por seus textos; sempre impactantes e surpreendentes. Percebo que está ganhando mais fôlego [rs], não é só a minha prosa que está fluindo...
Enfim, quanto ao Saramago, é aquilo: a gente é sempre um pouquinho do que le...

AbraçO!

Angela disse...

Muito bom! O Wilson que aqui gorjeia volta a gorjear melhor que lá!