Dino, o mascote d'O Muro

segunda-feira, 12 de julho de 2010

PRATOS NOVOS


DURANTE UMA VISITA à periferia da cidade, o Homem Caridoso deparou-se com uma família muito pobre e numerosa. O casal tinha sete filhos. O que mais lhe chamou a atenção foi quando o convidaram para almoçar. Como ninguém lhe fizesse companhia à mesa, questionou apontando as cadeiras vazias: “Vão me deixar almoçando sozinho?”.
Todos permaneceram de pé, olhando-o em silêncio.
Coube ao pai da família contar-lhe a verdade. Ali só havia um prato disponível, razão pela qual eram obrigados a utilizá-lo isoladamente, um de cada vez.
Sensibilizado, o Homem Caridoso deu-lhes dinheiro não só para comprarem comida mas também os pratos que faltavam.
Orgulhoso de si mesmo, partiu com a consciência tranquila.
Dias mais tarde, trouxeram-lhe notícias daquela família. Soube assim que eles aplicaram todo dinheiro unicamente na compra de comida. Atitude suscetível de ser traduzida por este pensamento: “Do que valem pratos novos, se estiverem vazios?”.
O Homem Caridoso achou por bem comprar ele mesmo os tais pratos e levá-los pessoalmente àqueles desafortunados.
Dito e feito. Não só levou pratos novos como também lhes deu mais dinheiro.
Comovidos, só faltaram ajoelhar. “O senhor é um santo”.
Naquele dia almoçaram todos juntos, cada qual com o seu prato.
Dali a um mês, o Homem Caridoso retornou àquela casa a fim de averiguar como andava a situação dos seus protegidos.
A penúria continuava a mesma.
Dessa vez, no entanto, embora da cozinha viesse cheiro de comida, estranhou que não o convidassem para almoçar.
Indelicadeza?
De maneira alguma. Não o convidaram por vergonha. Seria constrangedor oferecer-lhe o mesmo prato de antes, o único ali existente, visto que os outros haviam sido todos vendidos para comprarem mais comida.
Afinal, do que valem pratos novos mas vazios?
.
[gORj]

2 comentários:

Angela disse...

Adorei!
Parece com histórias de Nasrudin!
Que fase boa e criativa Wilson, que cresça e permaneça.

Anônimo disse...

Angela,

Acertou em cheio na influência!


Obrigado pelo incentivo.

Abração.
W.G.