Dino, o mascote d'O Muro

sábado, 17 de julho de 2010

INSÔNIAS


5 comentários:

Angela disse...

Tenho apreciado este estilo leve e doce!

Por que você faz poema? disse...

Gostei bastante dos seus ordenados e seus padres sem fé.

Anônimo disse...

Angela,

ei a insustentável leveza do ser [rs]. Assim vou: às vezes doce, muitas vezes amargo. O importante é não ser insosso. Abração.

-------------

Herculano,

Que os devotos me perdoem a irreverência. A literatura é a casa dos hereges [rs]. Valeu pelo comentário.

Anônimo disse...

eis!
.
W.G.

Cynthia Lopes disse...

O formato está ótimo e o conteúdo, cada vez melhor!!! bjs