Dino, o mascote d'O Muro

quinta-feira, 19 de abril de 2012

PEQUENOS POEMAS


PARA EMOLDURAR PAISAGENS

VERMELHO-SANGUE
Com os pulsos cortados, a tarde se deita no horizonte. Faz-se noite.
*
PANTERA
O gado pasta. Aves regressam. Silhuetas: árvores, montanhas. A noite se aproxima e devora tudo: montanhas, árvores, aves, gado. Saciada, ela se espreguiça. Bela, serena, a pele tatuada de estrelas.
*
ORAÇÃO
Anoitece na várzea. Os ruídos dos sapos, rãs e grilos formam uma massa sonora que purifica o silêncio. Hora da natu-reza. Amém.
*
ESTAÇÃO
Algumas aves já começam a migrar. De carona nas asas, levam o Verão. Da terra, acenam as árvores galhos desnudos. No solo, folhas de saudade.
*
OUTONO-INVERNO
O verão morreu. Seu cadáver esfria.
*
BORBOLETAS PARDAS
Outono sopra o vento. Folhas mortas adejam um voo emprestado.
*
OUTONO-INVERNO II
As árvores choram folhas. Nem o sopro do vento as consola pela falta que sentem dos passarinhos.
*
Da amizade entre borboletas e flores nasce a primavera.
* * *

[gORj]

3 comentários:

Angela disse...

gostei dos versos coloridos.
como fazem falta os passarinhos...

Enzo Carlo Barrocco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Enzo Carlo Barrocco disse...

Excelentes textos. Assim dá prazer em ler. Abraços