Dino, o mascote d'O Muro

segunda-feira, 31 de maio de 2010

OUTRA VIAGEM


Quando descobriu que Lucy era sacerdotisa de uma seita esotérica, não havia mais volta: já estava perdidamente apaixonado.
De tanto ela insistir, aceitou acompanhá-la aos encontros místicos realizados no interior de uma floresta.
Durante os rituais sagrados, os membros esotéricos travavam contato com seres encantados: entidades protetoras da natureza tais como gnomos, duendes, fadas (entes fabulosos vistos através de tênue fumaça...).
Mas ele, ao lado de sua namorada, não conseguia participar dessa visão coletiva. As emanações da erva, em seu cérebro, só produziam efeitos psicodélicos, alheios ao mundo esotérico.
Bem que gostaria de enxergar fadas, duendes, gnomos. Em vez disso, seus olhos alucynados só eram capazes de ver elefantes cor-de-rosa, jacarés voadores,
Lucy no céu com diamantes...


[gORj]

3 comentários:

Cefas Carvalho disse...

Bela brincadeira beatleniana. Gosto de seus contos curtos. Parabéns pelo blog.

JURA disse...

maravilha de conto

Angela disse...

Cada um faz a sua viagem!
Muito boa idéia: conto, imagem e música!