Dino, o mascote d'O Muro

quinta-feira, 3 de março de 2011

O GALO


Voltou da feira de animais, trazendo de lá um brinde. Os pais deram pouca importância ao fato de a filha querer criar o pintinho, pois acreditavam que ele não fosse durar muito tempo. Estavam enganados. Graças aos cuidados da menina, o pintinho cresceu e transformou-se num vistoso galo, senhor absoluto do quintal. A mãe chegou a imaginá-lo na panela. Mas não levou adiante essa hipótese. A filha era muito apegada ao bicho.
De modo que o galináceo teve uma vida tranqüila, sem ameaças, durando mais do que deveria.
Morreu de velhice.
Ou de tristeza.
Naquela casa, todos comiam galinha, menos ele.
.
gORj

3 comentários:

Angela disse...

E naquela casa ninguém se atrevia a trair o parceiro. Conhece a origem do galo?

Racionalismo Filosófico e Espiritual disse...

Mas será que então se tornara a galinha a própria dona tão apegada a ele?

KKKKKKKKKKKKKKKKKK

Cynthia Lopes disse...

tadinho!
bjs