Dino, o mascote d'O Muro

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

O POETA E O CONTISTA


AS COISAS NÃO ANDAM fáceis para os profissionais das letras. Por essa razão, tanto o Poeta quanto o Contista tiveram de arranjar outra ocupação mais rentável do que escrever poemas e contos. Cada qual se arranjou com uma profissão afim. Acostumado a adornar e lapidar versos, o Poeta optou por ser joalheiro. E ao Contista, tendo em vista que era mestre na arte de encaixar palavras, ajustando e acertando-as, coube-lhe, portanto, o ofício de relojoeiro.
Após o que, procurou o Poeta e propôs uma sociedade.
Excelente parceria. O negócio vai de vento em popa. Sonham agora com filiais, franquias. Voltar às letras, jamais.
.
[GORJ]

Um comentário:

Angela disse...

Desanimador. Deviam ser maus profissionais das letras, do contrário não deixariam o gosto e o prazer da escolha natural. Ainda mais com a renda do outro trabalho.