Dino, o mascote d'O Muro

terça-feira, 23 de setembro de 2008

LANÇADO

Ninguém foi ao lançamento do seu primeiro livro.
Tamanha frustração o levou a um gesto de loucura. Do alto da passarela, lançou ao vento os mil exemplares publicados.
Num relampejo de consciência, ainda pode ver o último livro tombar próximo ao seu – também lançado! – corpo.

[w.G.]+ Simplicíssimo.

3 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns. Gostei muito deste mini conto. Abraços.
Dôra Limeira
http://doralimeira.blogspot.com/

Angela disse...

Um amigo dizia isto. No dia em que fosse lançar seu cd, faria do alto do pão de açúcar e os lançaria como discos de pizzas, ao vento!
O conto é bom mas achei triste este final infeliz!

Santella disse...

Gostei muito de seu texto, sua lirica assume um jogo ironico em que não se trata somente de falar da realidade é transfigurar a realidade, enuncia um novo conceito de poética!!! sucesso.