Dino, o mascote d'O Muro

domingo, 27 de abril de 2008

Histórias para ninar dragões


Ao fim da noite, os bombardeiros cessaram vôo, e a cidade, num rápido instante, parecia outra vez repousar no leito da paz.
Em uma das casas contempladas pela sorte, como se houvesse o temor de despertar o mal, falava-se baixinho:
- Mas, papai: e se eles acordarem?
- Não haverá perigo, princesa. Eu contarei novas histórias.


D'O Muro

Um comentário:

Angela disse...

Que lindoooooooooo!!!
Quando o poeta se encontra com o minicontista dentro de você, há uma explosão estelar!